0
0
0
s2sdefault

VIIIRosa Rodrigues é deficiente, nascida em 1973, natural de Inhangoma, província de Tete, vive com 4 filhos e o marido (que não ajuda em nada, nas despesas familiares). Os quatro filhos frequentam o ensino primário. Ela recebe do PSSB 390 meticais e é beneficiária há dois anos. Conheceu o programa através duma funcionária do INAS que a aconselhou a se inscrever no programa.


Antes de ser beneficiaria vivia na base da ''boa-fé'' dos seus familiares, porque devido a sua deficiência não consegue se quer catar agua no poço, muito menos produzir alguma cultura na machamba.


Com o valor do SSB, a dona rosa tira uma parte para pagar pessoas que a ajuda a carregar água, usa para as despesas escolar dos seus filhos, paga comida, uma vez que o marido não exerce o seu papel de pai de família, a dona rosa tem de procurar formas de pagar o aluguer de casa no valor de 250 meticais. Até ao ano passado contava com um pequeno negócio no mercado (vendia feijão) que reforçava a renda para suprir as necessidades da família, actualmente o negócio faliu e não tem quem possa lhe ajudar a se erguer.


Antes de ser beneficiária e agora que é mudou alguma coisa porque já conta com esse valor para que os seus filhos possam estudar, antes tinha que pedir ajuda a um irmão e por vezes não tinha esse apoio porque o irmão também tem sua família para cuidar. Actualmente este irmão já não se encontra a trabalhar o que poderia complicar cada vez mais a sua vida.


“Agradeço o governo, mais eu sou deficiente e não consigo fazer muita coisa e conto somente com esse subsídio que é uma fonte segura pra renda da minha família, peço que o valor alocado a esse subsídio seja aumentado”

0
0
0
s2sdefault