0
0
0
s2sdefault

PSCM PS forma monitores comunitarios para o processo de MCI em seis novos distritosNum consórcio com a HelpAge e seus membros, a plataforma da sociedade civil moçambicana para proteção social (PSCM-PS), tem vindo a desenvolver em todo o País (dois distritos em cada província) a Monitoria Comunitária Independente (MCI) ao Programa de Subsidio Social Básico (PSSB), que tem em vista a promoção da cidadania através da prestação de contas nos programas de Protecção Social, contribuindo para a promoção da voz dos beneficiários do PSSB bem como a melhoria da qualidade dos serviços prestados pelo Instituto Nacional de Acção Social (INAS).

A metodologia deste sistema de monitoria consiste essencialmente em ouvir os beneficiários, identificar os principais problemas e procurar soluções tanto a nível local como a nível nacional.
Para os próximos 3 anos com o financiamento da União Europeia o MCI será estendido para mais seis distritos das Províncias de Niassa (Lago e Mandimba), Tete (Moatize e Màgoé) e Maputo (Maputo Cidade e Namaacha), implementados pelo FAMOD, APITE e RAVIM respectivamente.


Para Lúcia Cumba Directora do INAS ao nível central, a MCI é de extrema importância na medida em que ajuda ao INAS a monitorar e identificar problemas na implementação do PSSB garantido desta forma a qualidade e o impacto do programa na vida dos beneficiários. “Nós olhamos para esta iniciativa como uma oportunidade da SC nos ajudar a melhorar o nosso trabalho, bem como sensibilizar os beneficiarios sobre o melhor uso do subsídio” afirmou Cumba.


No âmbito desta expansão foram formados 16 monitores nas províncias de Niassa e Tete (8 em cada província), sendo 4 para cada distrito. Estes monitores foram capacitados para recolher, analisar e usar dados e evidências sobre a implementação e impactos dos serviços de protecçao social.


Segundo Omar Rachide Director Distrital dos Serviços de Saúde, Mulher e Acção Social do Distrito de Màgoé província de Tete, a iniciativa da PSCM-PS em trazer a Monitoria Comunitária Independente para o Distrito de Màgoé será com certeza uma mais valia na medida em que vai com certeza ajudar a ver até que ponto os beneficiários de facto inscritos existem e se recebem os seus subsídios conforme os seus escalões, o que trará maior qualidade para os nossos trabalhos.

0
0
0
s2sdefault